.

Publicado el November 18th, 2008, 19:45

Entre os dias 23 de setembro e 6 de outubro, uma caravana de 16 pastores
esteve visitando o Oriente Médio para conhecer de perto o trabalho
missionário dos obreiros da terra mantidos pelas igrejas batistas do
Brasil através da JMM.

Liderados pelos pastores Khalil
Samara e Antônio Galvão, os pastores viveram momentos inesquecíveis nos
cultos que participaram e receberam “presentes” de Deus ao realizarem
batismos naquela região.

O grupo partiu do Brasil no dia 23 de
setembro. Reunidos no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São
Paulo, realizaram um breve culto na capela local e seguiram viagem para
o campo missionário. Após uma longa viagem, chegaram ao Líbano e
enfrentaram o primeiro desafio. Um dos integrantes possuía em seu
passaporte um visto de Israel e a imigração local não permitia a
entrada no país. Depois de conversarem, com a intermediação do Pr.
Khalil Samara, foi liberado o acesso ao Líbano com uma ressalva: no
passaporte constava um aviso de que naquele documento existia um
carimbo de Israel e, por isso, os libaneses não colocariam seu visto.
Politicamente, israelenses e libaneses são inimigos declarados e por
isso houve dificuldade na liberação.

Passada a momentânea
tribulação, o grupo seguiu para Beirute, capital libanesa, onde ficaram
instalados num hotel dentro do Seminário Batista Árabe. Em seguida, os
pastores brasileiros foram conhecer Beirute e a cidade de Sidon –
conhecida na bíblia como Sarepta, onde o profeta Elias atuou durante um
período de seu ministério.
No dia seguinte, o grupo seguiu para a
Embaixada do Iraque no Líbano em busca obtenção do visto de entrada.
Porém, como eram 16 pessoas, as autoridades locais ficaram desconfiadas
e não concederam as liberações. Ficou decidido, então, entrar no Iraque
com um documento que asseverava aos pastores a condição de preletores
oficiais de conferências para líderes no norte do país. Apesar do risco
de barração e conseqüente deportação, todos os pastores decidiram
enfrentar a situação e tentar entrar no Iraque. As igrejas no Brasil
foram acionadas para intercederem e, para a glória de Deus, não houve
problemas para entrarem no país. A partir daquele momento a caravana de
pastores começava a receber os presentes de Deus.

Uma obra de excelência no norte do Iraque

Assim
que chegaram ao país, o grupo seguiu até a cidade de Duhok onde
aconteceriam as conferências. No caminho, novos desafios. O ônibus que
transportava os pastores passou por 14 barreiras do exército curdo,
sendo parado para interrogatórios, checagem de passaportes e muita
conversa, pois assim que os soldados identificavam-os como brasileiros
logo diziam os nomes dos jogadores da Seleção e liberavam a caravana.

Na
opinião dos pastores, as conferências foram impactantes. Cerca de 200
irmãos, oriundos da Jordânia, Líbano, Iraque, Estados Unidos e Brasil,
marcaram presença em Duhok. Já no primeiro culto, o estilo de louvor
dos batistas iraquianos inspirou os pastores. “Um louvor vivo,
contagiante e muito alegre. Na perseguição, nas lutas e nos
sofrimentos, os irmãos louvam a Deus de forma a nos emocionar
facilmente”, diz um dos integrantes da caravana.

Em cada culto,
um ou dois pastores brasileiros eram responsáveis pela mensagem,
desafiando e despertando a todos. Conversões e dedicação de vidas eram
as respostas após cada pregação.

Mas o grande presente recebido
no Iraque foi o encontro com o Governador de Duhok. O assunto era a
apresentação da documentação necessária para o registro de uma ONG no
Iraque, através da qual seria viabilizada a doação de um terreno para a
construção de um projeto social, esportivo e também o templo da Igreja
Batista em Duhok. Deus agiu e o grupo ouviu do governador que os
batistas brasileiros são bem-vindos no Norte do Iraque e que ele mesmo
autorizava o registro e o funcionamento da ONG e também a doação do
terreno. “Foi maravilhoso ver Deus agindo através das nossas vidas. Em
breve receberemos a notícia da inauguração da Primeira Igreja Batista
em Duhok, para honra e glória de Deus”, revela um dos pastores.

Mais presentes nos últimos dias

Entre
outras atividades cumpridas no Norte do Iraque, o grupo ministrou o
batismo de 30 pessoas e conheceu o próximo grupo de candidatos: 200
pessoas estão se preparando para o batismo.
Nos últimos dias da
viagem foi possível conhecer alguns irmãos cujos testemunhos
emocionaram os integrantes da caravana. Foi o caso da Dra. Bernardete.
Uma senhora, nascida e criada na cidade de Nínive, que se converteu
através do testemunho de cura de um irmão diabético. O rapaz ouvia um
programa cristão de rádio e aceitou a Jesus. Durante algum tempo, por
medo de ser perseguido, não contou nada aos parentes e procurou viver o
evangelho. Através dessa mudança de comportamento sua irmã também
entregou sua vida a Jesus. As reuniões começaram em casa, escondido de
todos, e eles não podiam orar e nem cantar em voz alta. O discipulado
dos dois foi através do rádio e pela leitura da bíblia. “Eles só se
reuniam às escondidas, mas assim mesmo tinham tremendas experiências da
presença de Deus abençoando suas vidas. A Dra. Bernardete nos disse que
a Bíblia era o pastor deles, o conselheiro deles. A Bíblia era tudo
para eles.

Uma vida aos pés de Jesus. Um testemunho de cristã
genuína, que convive com perseguições, ameaças e sob vigilância todo o
tempo. Mas fica firme em sua fé”, relata, emocionado, um dos pastores
brasieliros.

No último culto, mais inspiração e edificação. Um
rapaz recém convertido, ex-satanista, foi à frente para consagrar sua
vida para Deus e os pastores brasileiros foram chamados à frente para
orar e abençoar a vida dele. “Foi muito emocionante orar e abençoar um,
agora, verdadeiro adorador. O inferno empobreceu. Aleluia!”, celebram
os pastores.

Fonte: JMM/http://www.adiberj.org/modules/news/article.php?storyid=3308

Por InfoBatista, en: General