.

Publicado el November 20th, 2008, 20:26

Isto está neste livro virtual
*******************************
FALÁCIAS DITAS PARA ENGANAR, Israel Belo de Azevedo
(No dia 10 de dezembro de 1988, paraninfei os bacharéis em teologia do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (turno da manhã) reunidos no templo da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro).
Eis o que eu disse a eles. .

O coração distante viu na fotografia da ausência os muitos sorrisos e sorriu também. Logo em seguida, turvando sua alegria, perguntou-se: o grupo cuja fotografia a
parece
no convite da formatura de hoje, está em pé na escadaria da capela ou na escadaria da biblioteca? (Para quem não conhece o campus central d Seminário
Teológico Batista do Sul do Brasil, vale dizer que, como se seguisse a recomendação petrina, o arquiteto construiu uma mesma escadaria para o acesso à capela,
 onde a esperança faz morada pelo culto ao Senhor da história, e à biblioteca, onde a razão faz morada pelo convívio com as fontes do saber). .

Então, o sorriso se cerrou de vez e a pergunta veio: esses meus amigos e essas minhas amigas, que me escolheram para lhes paraninfar, vão separar biblioteca e capela,
vão levantar um muro entre os domínios da razão e da esperança? .

Depois, o coração distante viu melhor a fotografia, que é sempre para preencher o espaço da saudade, e notou muitos corpos diante tanto da razão

quanto da esperança, prontos para, como líderes de comunidades, trilharem o caminho da integridade, sejam como pastores e, queira Deus e os
 homens o deixem, como pastoras, seja como ministros ou ministras não ordenados formalmente. .
Então, o coração distante lançou seu olhar para o horizonte e escutou muitas falácias sobre o ministrar cristão. Fundadas em tradições humanas
e não em Cristo (I Co 2:9), o perigo delas é que, adverte-nos Paulo, conquanto tenham ares de sabedoria, são afirmações sem valor algum (Co 2:23). .
Por isto, agora, o coração presente vem trazer ao horizonte do seu olhar algumas falácias que precisam ser relembradas para serem esquecidas. .

FALÁCIA 1: . "NO MINISTÉRIO, TEOLOGIA . NÃO É FUNDAMENTAL" .

Podemos principiar pela falácia, que vocês devem ter ouvido, de que, na sua vida agora, uma etapa terminou, a dos estudos, e outra começa agora,
a da prática. Já cheguei a ouvir o conselho de que os jovens ministros devem esquecer tudo o que aprenderam nos bancos da teologia. .
Não é por outro motivo que alguns transformam seus livros em objetos de decoração, em esconderijos de poeira. Sua pressuposição é de que
chegou o tempo da oração e da experiência prática. Livros agora só os tesouros de esboços e ilustrações, os comentários rápidos, as dicas de liturgia... .
Evidentemente, este anti-intelectualismo pragmático opõe teoria e prática, como se a prática se alimentasse de si mesma, como se a teoria
 fosse uma lata vazia. A prática se alimenta da teoria, que se alimenta da prática. São duas velas que se fundem para iluminar a mesma escuridão. .
Para poder dar a razão de sua esperança, vocês precisarão estudar teologia diariamente. Não aquela teologia da especulação
 oca ditada pelos modismos fúteis, mas aquela reflexão que visa compreender os movimentos da vida.
A vida carece de ser vivida e ela, para ser bem vivida, precisa ser explicada mesmo que provisoriamente. .
Então, leiamos nos nossos livros, compremos mais livros, cuidemos de nossos livros. .
Participemos de congressos, simpósios, seminários, cursos. Assinemos revistas. Leiamos jornais.
Planejemos nossas reciclagens, como a mesma seriedade com que anseiamos férias.
Tenho visto, que, em muitas circunstâncias, aqueles que mais vociferam contra o valor do estudo bem cuidado da teologia são
os mesmos que se orgulham de sua erudição e de suas bibliotecas. Talvez tenham medo. .
Não sigamos os seus conselhos desonestos. Fiquemos com o apóstolo Paulo que, para onde ia, carregava sua biblioteca, ele que
vira a Jesus e se encontrara com o Pai no último dos céus. .
Coloquemos no serviço o saber que granjeamos. Não o usemos para nos mesmos, mas para os outros.
Seja o nosso argumento o argumento do diálogo entre parceiros e não o de uma pretensa autoridade pastoral, que se volatizará quando o outro lhe der as costas.
Só permanecerá o argumento brotado da informação ampla sobre o assunto do debate, exposto com a bisturi da razão e mediado pela clareza da honestidade.
 O outro será apenas um feio tributo à ignorância. .
Na prática do ministrar cristão, não tenhamos medo da teologia, porque a teologia honesta é apenas uma reflexão sobre a ação.
Nossa teologia será sempre uma meditação sobre o que estamos fazendo. Quem não reflete sobre o que faz, com os instrumentos
que o saber tem para oferecer, acaba repetindo-se, como a igreja de Éfeso... (Ap. 2:4). .

***************************************

FALÁCIAS DITAS PARA ENGANAR, Israel Belo de Azevedo 3

Sumário

FALÁCIA 1

"NO MINISTÉRIO, TEOLOGIA NÃO É FUNDAMENTAL"

FALÁCIA 2

"O MINISTRO CRISTÃO DEVE CULTIVAR SOZINHO SUA PIEDADE PESSOAL"

FALÁCIA 3

"É PRECISO DAR AO POVO O QUE ELE QUER"

FALÁCIA 4

"IGREJA SÓ CRESCE SE O SEU PASTOR FOR DE TEMPO INTEGRAL"

FALÁCIA 5

"PRECISAMOS DE PASTORES FIÉIS À DENOMINAÇÃO"

FALÁCIA 6

"OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS" FALÁCIA 7 "BASTA PROCLAMAR O EVANGELHO"

Por InfoBatista, en: General