.

Publicado el November 22nd, 2008, 15:18

Disse Jesus: Tenho compaixão desta gente, porque há três dias que permanecem comigo e não têm o que comer e não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleçam pelo caminho. (Mateus 15.23)

Quanta gente do Brasil, do mundo interior, que passa fome e miséria. Morrem aos milhares porque não têm o que comer, ou alimentam-se mal. E a principal causa desta aflição, qual é? É a exploração do homem pelo homem. Nações inteiras ainda hoje precisam suportar os verdadeiros Neros do império romano, os quais se instituem como governo e sugam a última gota de sangue do seu povo. E o pior ainda é quando são bajulados pelos interesseiros e inescrupulosos.

É comum ouvir-se que Cristo nunca se preocupou com as necessidades físicas, sociais da pessoa; que a sua preocupação foi a espiritual, a necessidade da alma. Em quantos sermões não ouvimos isto, em quantos devocionais não se destaca o mesmo? O que dizer de nosso texto básico indicado acima? Evidente, Cristo pregou aos pobres de espírito em primeiro lugar, mas não os deixou na
miséria corporal. Teve pena do povo faminto pelo pão e de fato os alimentou. Esta é a lição áurea que Deus nos deixou. Após cada pregação sobre a redenção da alma, precisa haver seqüência de ação e prática no sentido de suprir o necessitado na sua necessidade.

Felizmente temos tido exemplos de fervorosa prática cristã de muitas Igrejas e irmãos. Que estes nos animem a estender nossa colaboração onde formos chamados. Que apoiemos medidas justas das autoridades, tanto na reforma econômica, agrária e em qualquer setor de nossa terra! Sem dúvida alguma, o nosso Deus estará atento àqueles que colocarem suas mãos ao serviço do próximo e especialmente àqueles que se condoerem com a dor do semelhante. Que jamais alguém padeça necessidade por causa da nossa omissão. Porque mais bem-aventurado é dar do que receber.

        Pr. Neirson Alves Ferreira

Por InfoBatista, en: General