.

Publicado el November 23rd, 2008, 7:58

Cerca de seis em cada dez mamografias realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil contêm erros. O número foi constatado através de um projeto-piloto de Qualidade dos Serviços de mamografia do SUS feito em 53 unidades de Porto Alegre, Belo Horizonte, Goiânia, e também no Estado da Paraíba.

» Leia mais notícias do jornal O Dia

Sujeiras, impressões digitais, revelações mal feitas, chapas tremidas ou riscadas, filmes inadequados e o uso errado do aparelho são os problemas mais comuns que dificultam o diagnóstico correto do câncer de mama.

"De nada adianta incentivarmos os exames de detecção precoce se eles não forem precisos, apontarem exatamente o que se passa no corpo da mulher", disse o diretor-executivo do Instituto Avon, Lírio Cipriani, que apoiou financeiramente o projeto realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Nesta segunda-feira, o Inca entrega ao Ministério da Saúde uma proposta para a criação de um Programa Nacional de Qualidade de Mamografias, com uma portaria de credenciamento e do monitoramento dos exames.

De acordo com o instituto, as representantes das vigilâncias sanitárias dos Estados que participaram do projeto receberão kits com equipamentos de avaliação da qualidade do exame.

"O câncer de mama tem cura e o diagnóstico precoce garante que 98% dos casos sejam curados", garantiu a mastologista Rita Dardes.

Por InfoBatista, en: General