.

Publicado el December 15th, 2008, 19:39

Tirar Retrato ou Fazer Fotografia?

Por Jim Mathis

Tempos atrás ouvi uma história de dois indivíduos que foram pescar. Um era pescador experiente e pescou muitos e belos peixes. O outro era iniciante, não sentiu nem ao menos uma fisgada e nada pescou. Quando o novato perguntou o que ele fizera para pegar tantos peixes, enquanto ele não conseguira nenhum, a resposta foi simples e honesta:“Eu pesquei com mais empenho”. 

 

É assim que eu me sinto em relação à fotografia. Na construção de uma carreira bem sucedida como fotógrafo profissional, acho que simplesmente “fotografo com mais empenho” do que a maioria. Intensidade é a diferença entre “tirar retratos” e “fazer fotografias”. É uma combinação entre paixão, habilidade, aptidão, experiência e, quem sabe, vocação.  

 

Esta última palavra – vocação – é importante. Tenho observado que um surpreendente número de pessoas perdeu sua vocação, ou deixou de reconhecê-la ou explorá-la. A pergunta que sempre faço é: “O que você realmente quer fazer?”  Pelas respostas vejo muitas vezes que o que querem fazer não é o que estão fazendo. Isso é triste, até mesmo trágico. Por que sentenciar-se a uma vida inteira fazendo o que não quer? 

 

Durante uma época fui considerado um especialista no que hoje é uma tecnologia arcaica: filme e revelação em branco e preto. Mas as coisas mudam. Uma gigantesca feira de imagem fotográfica, a "Photokina", acontece a cada dois anos em Colônia, na Alemanha. (Em 2006, 162 mil pessoas, de 152 países a visitaram.) Quando minha esposa e eu estivemos lá, há 20 anos, não havia o menor indício de que a fotografia se transformaria, no futuro, em algo que não fosse apenas filmes e química. Este ano, contudo, a boa notícia que veio de Colônia é sobre a reinvenção da fotografia.

Tudo ficou diferente.  

 

Esse é o motivo para eu ter voltado para a fotografia depois de um hiato de 12 anos. Tudo é novo e emocionante. A qualidade e a versatilidade que a fotografia digital proporciona fazem os velhos filmes e químicas parecerem coisas de antiguidade. Mas sempre há os que insistem em se apegar ao passado. São pessoas “instruídas”, especialistas na velha maneira de se fazer as coisas.  

 

Pessoas “instruídas”(*) são aquelas perfeitamente adaptadas à última geração. “Aprendizes”(*) são aquelas dispostas a acompanhar a próxima geração. Nada tem a ver com idade, mas tem tudo a ver com atitude. O livro de Eclesiastes, na Bíblia, diz que é tolice ter saudades dos dias passados.  O sábio olha em direção ao futuro. 

 

Tenho me descoberto entusiasmado com as noites de domingo, porque sei que tenho que trabalhar na segunda e fazer coisas incríveis com fotografia, reacendendo o zelo pela vocação que persegui durante tantos anos. Não quer dizer que eu seja sábio, mas penso que me inclui na minoria. A maioria, aparentemente, está apenas deixando o tempo passar, fazendo coisas que não quer e ansiando pela aposentadoria. Sua criatividade ficou nos tempos de escola e o mundo corporativo a aprisionou numa caixa.  

 

Você está entre os “instruídos” que se tornaram autoridades nas formas antigas de fazer as coisas? Por que não se esforçar para ser “aprendiz”, buscando novas idéias e novas formas? Você se tornará entusiasmado com o futuro e encontrará motivo para sair da cama pela manhã com inspiração, pronto para perseguir sua vocação e explorar novos horizontes.

 

Concordará, então, com o salmista: “Este é o dia que fez o Senhor; regozijemo-nos e alegremo-nos nele” (Salmos 118.24).

Próxima semana tem mais!


Texto de autoria de Jim Mathis, diretor executivo do CBMC em Kansas, Missouri e que, em conjunto com a esposa Louise, dirige uma Cafeteria. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes (fortes@cbmc.org.com)


MANÁ DA SEGUNDA® é uma refelxão semanal do CBMC - Conecting Business and Marketplace to Christ, organização mundial, sem fins lucrativos e vínculo religioso, fundada em 1930, com o propósito de compartilhar o Evangelho de Jesus Cristo com a comunidade profissional e empresarial. © 2008 - DIREITOS RESERVADOS PARA CBMC BRASIL -  E-mail: liong@cbmc.org.br -Desejável distribuição gratuita na íntegra. Reprodução requer prévia autorização. Disponível também em alemão, espanhol, francês, inglês, italiano e japonês.


Somos contra o SPAM na rede e em favor do direito à privacidade. Esta mensagem não é considerada SPAM, pois o remetente está identificado, o conteúdo claramente descrito e com a opção de exclusão de seu e-mail. Para exclusão do seu nome de nossa lista de mailing , por favor, envie um email para liong@cbmc.org.br escrevendo "REMOVER" no campo de assunto.


Questões Para Reflexão ou Discussão

1.   Com quem você se identifica mais: com o pescador veterano que “pescou com mais empenho”, ou com o novato que queria pescar, mas não tinha habilidade ou motivação?

2.   Se alguém lhe perguntasse: “O que realmente você quer fazer?”, qual seria sua resposta? Você está fazendo atualmente o que quer fazer? Por quê?

3.   Talvez você descubra estar “preso” a um trabalho que não o desafia ou satisfaz, mas que se tornou confortável, ou familiar, e ainda por cima paga suas contas. Será que você se tornou

“instruído” e deixou de ser “aprendiz”? . 

4.   Como você definiria sua vocação? Você sabe como identificá-la? O que seria necessário para que se libertasse de sua carreira insatisfatória e começasse a realizar sua vocação? 

 

Se desejar considerar outras passagens da Bíblia relacionadas com o tema, leia: Salmo 139.13-16; Efésios 2.10; Colossenses 3.17,23.    

Por InfoBatista, en: General